Make your own free website on Tripod.com

Notícia publicada na WEB:


A energia vibratória no aquário de água doce

 

    Em meados do século XIX, os Físicos afirmavam, em alto e bom som, que era impossível transformar a energia mecânica em eletricidade. No entanto, um carpinteiro, de nome Gramme, inventou o dínamo, e consequentemente, o motor elétrico. A história parece repetir-se!

Após quinze de anos de tiros no escuro, um alemão, Roland Plocher, conseguiu desenvolver um sistema de purificação de água revolucionário, a ponto de desafiar os conhecimentos científicos atuais. O seu sistema põe em jogo energias até agora desconhecidas.

Ninguém sabe verdadeiramente como e porque é que o sistema  funciona. E, no entanto, cientistas de 15 países diferentes puderam quantificar  esses efeitos através de diferentes parâmetros tais como o pH, a ionização, a temperatura e o teor em oxigênio. Todos estes parâmetros são alterados após a imersão dos produtos PLOCHER na água.

Foram efetuados testes em diversos lagos considerados como “mortos” e invadidos por algas indesejáveis. A eutrofização  que conduzia a uma acentuada falta de oxigênio do meio era o ponto comum entre eles. 

  Após a imersão de tubos energéticos, os lagos de Murten, Joux e Du Bré , na Suíça, foram “regenerados”, o mesmo acontecendo com os lagos de GlockenSee e de Kleinen Arber, na Alemanha.   

Antes de pôr em funcionamento 

o sistema Plocher, pensava que 

tinha uma água límpida...

Após se terem utilizado, sem sucesso, todas as técnicas até então conhecidas: dragagem do fundo, introdução de peixes devoradores de algas, introdução de bactérias especificas e outros produtos químicos, o único meio que trouxe resultados convincentes foi o sistema PLOCHER. Conscientes destes excelentes resultados, várias estações alemãs de tratamento de água renderam-se aos bons resultados deste novo conceito. 

Foi-lhe  dedicado uma emissão de televisão do popular canal alemão Arte! Desde então, esta moderna tecnologia começou a despertar em mim o interesse relativamente aos benefícios que dela poderia obter para o meu aquário «Optimal». 

Contatei imediatamente a empresa distribuidora dos  produtos Plocher, em França, que não tardou em enviar-me uma documentação bastante volumosa. Foi assim que pude apurar a diversidade dos meios a pôr em pratica, assim como conhecer os diferentes sectores onde o Sistema Plocher começava a fazer verdadeiras maravilhas. A utilização deste sistema em aquariofilia de água doce, é uma verdadeira revelação!

  Em que consiste o Sistema Plocher?

 O Sistema Plocher consiste numa aparelhagem que permite introduzir uma densidade no campo magnético em que vivemos, para em seguida concentrar  esta energia num feixe (um pouco à semelhança de um laser), o que o torna capaz de imprimir, numa matéria de suporte, as propriedades ativas das substâncias colocadas no aparelho.

 Ao dirigir, por exemplo, o raio de energia através de um fluxo de oxigênio, para uma folha de alumínio ( sendo esta a matéria de suporte), o aparelho conferiria a esta simples folha a capacidade de transmitir a informação - Oxigênio, no meio a tratar.

 No nosso domínio que é a aquariofilia, conhecemos bem a importância do oxigênio como forma de desenvolver e manter as nossas sagradas colônias de bactérias nitrificantes e outras. Os microorganismos aeróbios são efetivamente ativados assim que a matéria de suporte é colocada em contacto com o seu próprio campo magnético que é ... a água!

 O mais extraordinário, é que a ativação destes microorganismos aeróbios é feita apenas quando se utiliza a matéria de suporte, sem que haja realmente qualquer adição de oxigênio. É o que daí se pode concluir, dado que não será certamente uma simples folha de alumínio colocada dentro de um tubo hermético que irá regenerar totalmente um lago!

 Este método é muito difícil de explicar... Muito esperto seria aquele que, no sec. XIX, pudesse, por exemplo, explicar o que é a homeopatia... Portanto, o que é fundamental é  a eficácia do Sistema Plocher. 

A água, no seu meio natural, possui a sua própria forma de onda, a qual é modificada durante a sua passagem nas instalações e condutas das cidades. 

Nos nossos aquários, a água move-se em circuito fechado e encontra-se em contacto com o fluxo magnético emitido pelas bobines das bombas. Por mais aperfeiçoadas que elas sejam, as nossas bombas “estragam” a água. A forma de onda da água dos nossos aquários é nitidamente alterada. A nossa água já nada tem a ver com a água dos riachos e lagos tropicais de onde provêm os nossos peixinhos. 

Apesar dos parâmetros físico-químicos da nossa água se assemelharem àqueles que procuramos obter,  através de diversos métodos (osmose, produtos complementares, etc), esta não se regenera como na natureza. É evidente que, na realidade, não conseguimos controlar alguns parâmetros.

O que é importante neste método, é que não agimos de uma forma química, magnética ou nuclear. Trata-se apenas de um processo perfeitamente natural, para o qual tende a aproximar-se todo o aquariofilista responsável. 

As informações gravadas na matéria portadora, podem ser as mais diversas. Imaginemos então, um material contendo as informações Oxigênio, Carbono, Ferro, Manganês, etc. Com estas informações, transportadas para o aquário, favoreceremos o equilíbrio geral de todo o nosso ecossistema.

Os produtos que nos interessam diretamente são, atualmente, seis: 

Penac A

 Pó de carbonato de cálcio. As informações contidas permitem estimular naturalmente os processos vitais das bactérias aeróbias, dos peixes e das plantas. 

Os batons

 

Cada “pauzinho” é composto por uma mistura de terra cozida e poeira de quartzo. À semelhança do Penac A, estimulam os processos vitais, mas têm uma acção mais forte. O seu tempo de vida útil é de vários anos.

 

Número de batons em função do volume do aquário

Para 15 litros

1

Para 60 litros

2

 Para 100 litros

3

Para 200 litros

5

Para 300 litros

8

Para 500 litros

12

Para 600 litros

13

Para 900 litros

14

 Para 1200 litros

15

 

Para perfazer a ação: 

Os Penac W 4032 e 4033 «Biótopo de jardim» devem ser utilizados simultaneamente. Permitem controlar os problemas ligados à eutrofização. Concebidos inicialmente para o tratamento de lagos de jardim, são eficazes na eliminação das algas e na limpeza do substrato! Adiciona-se à água, 1 grama, o equivalente a uma ponta de uma faca, uma vez por semana para 100 litros de água.

Penac Kat : é um aparelho que se fixa, sem qualquer modificação, nas canalizações de água. Possui informações correspondentes à água natural.  A sua vida útil é teoricamente ilimitada. Os primeiros protótipos, com mais de 15 anos, ainda estão perfeitamente operacionais. 

Este aparelho foi concebido inicialmente para corrigir a água de distribuição das redes urbanas, sempre que se pretendia uma água de qualidade ( por exemplo, em nossas casas, na alimentação, nas criações, etc.). Imaginemos a sua utilização no circuito de filtragem dos nossos aquários. O seu elevado efeito de regulação da água faz maravilhas desenvolvendo os processos vitais  de todos os hóspedes do aquário, independentemente do volume de água. É também muito eficaz quando instalado no circuito de distribuição de água dos lagos de jardim.

 Os primeiros resultados: 

Tive a oportunidade de pôr em pratica todos estes produtos. Ao fim de algum tempo, pude observar: 

             - Uma água absolutamente cristalina. É aliás o que salta imediatamente 

           à vista dos meus amigos aquariofilistas que me visitam.

 

             -  Uma decomposição inacreditavelmente rápida das matérias mortas 

               (plantas, peixes, detritos).

             -  Uma água inodora. O cheiro característico a peixe do aquário desaparece.

             -  Valores de nitratos e fosfatos não mensuráveis com a utilização dos testes habituais.

Oito dias após o tratamento com 

Penac A e com os batons, consegue ver-se, 

a todo o comprimento do aquário, 

a porta, situada a 2,50 m deste.

 A todos os pesquisadores que dei a conhecer o método Plocher, notaram um acréscimo na saúde e vigor dos seus peixes exóticos. É inegável que estes se reproduzem melhor! 

 Certas plantas que tinham problemas sob iluminação intensa, passaram a comportar-se normalmente. O Micranthemum cresce a uma velocidade incrível. É assim que as Glossostigma elatinoides, que tinham ficado com um colorido vermelho, devido ao efeito da iluminação HQI, começaram a ganhar novamente o seu colorido verdejante. As  plantas, em geral, ficaram revitalizadas. 

Nota-se que o aquário está muito limpo. O substrato parece estar repleto de microorganismos que o limpam perfeitamente.  Certos elementos encontram-se reativados, a ponto de ter reduzido as quantidades de fertilizante.

 As conclusões a tirar: 

Os produtos Penac são complementares mas, no entanto, a “chicotada” que eles podem infligir à água deverá ser controlada. O principal cuidado a ter, será o armazenamento dos produtos. Estes deverão ser conservados num local seco e em cima de um suporte de madeira. Qualquer outro material captaria as informações gravadas na matéria de suporte.

Dezesseis dias depois, a água tornou-se tão cristalina e límpida que consegue ver-se,  a todo o comprimento do aquário, mas desta vez no sentido oposto, os talos de uma planta verde, e, 20 metros atrás, um camião estacionado perto de casa! Quanto às repercussões de ordem biológica no aquário, são  incrivelmente fulminantes.

 

A melhoria da qualidade da água e a extensão dos processos biológicos são bem reais. Os resultados são simultaneamente visuais e físico-químicos, dado que os testes mostram uma alteração no bom sentido. Quanto à forma como a água recupera as informações disponibilizadas pela matéria de suporte ( pós e batons, etc.), são ainda um mistério! Mas não podemos esquecer que algumas universidades americanas levam os seus alunos  a escrever as suas teses de doutoramento sobre os produtos Plocher.

 Não é certamente por acaso que Takashi Amano, através da empresa ADA, seja o distribuidor oficial no Japão.

Jean-Paul Chicheret  

Obtenha informações sobre os produtos Penac, enviando um E-mail

Mapa Completo do Site

1